Casamento Na Vínicola {Letícia & Luciano}

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Casamento na igreja e festa na vínicola! Assim foi o dia da celebração do amor de Letícia & Luciano. Os  engenheiros enviaram a sua história para o site da Mariée e não poderíamos deixar de compartilhar com as nossas leitoras! Com todo o carinho, o casal contou tudo para a gente! Vem se emocionar! 
Mariée

Casamento…

“Muito já se falou sobre casamento e muito se pensa que sabe, mas o fato é que, seguramente, nós o subestimamos.”

“Quando Luciano e eu decidimos casar, depois de 9 anos juntos de uma relação muito saudável e engrandecedora para os dois, pensamos que o casamento seria “apenas” uma comemoração.”

“Mas sabíamos as surpresas que nos aguardavam durante o período do noivado, em 21 de abril de 2016, ao casamento, em 21 de outubro de 2017.”
Mariée
“O casamento é um rito de passagem, talvez dos mais tradicionais, para vários povos e religiões. Não acreditamos, no entanto, que seja esse o motivo pelo qual tantas pessoas fiquem envolvidas e emocionadas em torno de um “sim”.
Mariée
“O casamento é essa festa do amor – entre pais, filhos, irmãos, amigos, tios, primos, vizinhos, que fazem parte da construção do amor de um casal.”
Mariée
“No período de preparação do casamento, uma frase nos marcou muito, resumindo o que já pensávamos sobre essa celebração: 

 “(…)
porque casar não começa quando se casa 
Casamento é quando a parceria é tão boa
que não importa roupa, não precisa bolo
pode ser no padre, no banco ou no juiz 
porque o sim mora dentro da felicidade dos dias 
Casar é ser feliz sozinho, mas preferir junto 
Por isso a festa!”
(Mário Rezende)
Mariée
“Nesse pensamento, nos preparamos para viver não somente um dia, mas sim para vivermos e valorizarmos o amor um pelo outro, o amor próprio e o amor por aqueles que são parte de cada um de nós dois, e de nós dois como casais.”

“O dia do casamento foi leve e feliz, porque muita felicidade já tinha se construído até ali!”
Mariée
“Lu e eu somos engenheiros. Escolhemos tudo com o coração, mas sem deixar de avaliar com bastante cuidado o custo-benefício de cada escolha.”

“Nessa balança, avaliávamos também o que valia a pena contratar e o que valia a pena colocar a mão de verdade (acreditamos que o DIY nem sempre é a opção mais inteligente – financeiramente e emocionalmente).”

“O sonho é sempre mais caro, como disse sabiamente nosso fotógrafo em uma das nossas primeiras conversas.”

“A realidade, se vivida de coração, é mais linda que qualquer sonho. Por isso, nos preocupamos mais com realizar do que sonhar! “
Mariée
“Quando conhecemos a bucólica igreja Santos Anjos, bem do ladinho da Vinícola Perini (na divisa das cidades de Caxias do Sul e Farroupilha, na Serra Gaúcha), ainda antes de noivarmos, começamos inconscientemente a planejar o casamento.”


“Apesar de a cerimônia e a recepção serem bem próximas, disponibilizamos transporte (em grande estilo) entre os dois locais para dar mais conforto aos convidados e para evitar contratempos em caso de chuva ou frio.”

“A primavera na Serra Gaúcha é uma caixinha de surpresas climáticas! O ônibus antigo foi cortesia de um tio e foi um sucesso à parte!”
Mariée
“A Lê escolheu o vestido muito cedo, mais de um ano antes do casamento! Acompanhando o trabalho de um amigo especial, em uma das coleções, identificou o que seria seu vestido de noiva: um vestido de linho e renda, simples e orgânico, que se encaixava direitinho com a proposta do casamento.”

A decoração

Mariée
“Queríamos a decoração muito simples e com o mínimo de flores possível. Escolhemos mesas rústicas compridas com trilhos verdes e velas, além de guirlandas verdes suspensas.”
Mariée
“Usamos muito eucalipto, fresco e aromático, que também veio da chácara da família da Lê e de familiares.”
Mariée
Mariée
Mariée
As famílias do Lu e da Lê tem um valor em comum: café e bolo. Isso não podia faltar no casamento! 

Por isso, substituímos a mesa de doces por uma mesa de bolos: todos caseiros, feitos pelos noivos, pelas mães, por tias, irmãs, pela cerimonialista e pela chef do buffet. Incrementamos a mesa com grostoli (tradicional da região) e biscoitos coloniais, feitos pelas tias maternas da Lê.”

“A mesa foi decorada com peças de crochê do enxoval de casamento de uma tia querida e com peças em crochê e feltro feitas pela mãe e irmã da Lê!”

“Essa mesa foi um trabalho coletivo e cheia de significados e de amor: nossos fotógrafos são de Rolante, RS, que é a capital nacional da cuca, logo, eles trouxeram cuca também.”
Mariée
Mariée
 “Nosso videomaker é de Nova Petrópolis, RS, onde tem uma fábrica de alfajores artesanais chamada Mukli – ele nos apresentou o lugar e acabamos colocando alfajores na mesa também. A Mukli é de uma família de uruguaios.”
Mariée

Lembrancinhas

“Já no começo do ano de 2017, preparamos as lembrancinhas para os convidados.”

“Como o casamento seria em uma vinícola e a família da Lê mantém uma chácara no interior da cidade com parreiral, aproveitamos a safra da uva para preparar geleias para os convidados. Esse lugar era dos avós paternos da Lê, e foi onde fizemos nosso ensaio pré-casamento em abril.”
Mariée

Bebida, por favor!

“Contratamos um bar de cafés especiais para ornar com os bolos e optamos por montar a cafeteria e o bar (de bebidas) juntos, em torno da pista de dança, criando um grande lounge.

No bar, tivemos outra tradição de família: as cachacinhas, também chamadas de canha por aqui, curtidas com frutas. As cachaças são feitas por um tio da Lê, e eventualmente a família se reúne para saboreá-las. Esse tio tem um apelido da juventude que é “Lobão”.

 Por esse motivo, surgiu uma tradição no casamento: cada cachacinha virada, devia ser seguida de um uivo – o som mais ouvido da noite, diga-se de passagem!”
Mariée
“Queríamos uma recepção e jantar descontraídos, no entanto, fazer as refeições juntos é uma questão bastante tradicional na região. Sendo assim, recebemos os convidados com uma mesa de antepastos e coquetel volante, seguido de um prato servido na mesa.”

“Como os convidados circulariam bastante antes de sentar, na chegada, cada convidado recebia uma tag com o nome e o número da mesa e um recado individual escrito à mão por nós, para que pudesse sentar-se à mesa no momento que quisesse.”

As dicas dos noivos

“Aproveitem cada dia da organização do casamento. Tomem café com a cerimonialista, visitem o fotógrafo, compartilhem planos com os padrinhos, façam despedidas de solteiro, ouçam histórias de outros casamentos da família… Construam histórias que irão durar além do dia do casório, afinal de contas, a vida continua!”
Mariée
“Fizemos first look na igreja onde nos casaríamos duas horas depois. Foi uma experiência emocionante e íntima, complementada com a feliz coincidência de os músicos estarem passando o som na igreja no mesmo momento.”

“Nós fizemos site de casamento e o usamos para contar histórias, compartilhar planos e agradecer. Recebemos muitas mensagens de carinho e os convidados se envolveram bastante!”

O registro de casamento

“Se puderem, escolham a modalidade documentário de vídeo, especialmente se estiverem envolvidos com a organização geral do casamento… É um registro lindo!”

 “A fotografia é a arte da presença”, dizia Gabriel Orozco.

 Os registros em foto e vídeo só fazem sentido se o momento foi vivido intensamente… só dessa forma, cada registro vai ser um verdadeiro gatilho para a memória, trazendo toda a magia desse dia que é maravilhoso!”
Letícia & Luciano, obrigada por contar cada palavra para nós! Desejamos muitas felicidades!

Compartilhe

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

Ficha Técnica

O que você acha?

Não há comentários ainda.